A substituição da Rainha Bruxa do Castelo do Inferno pelo Vampiro Furta-cor Peemedebista (que curiosamente declinou de morar no Alvorada porque tem medo de assombração) foi uma lufada de ar puro após 13 anos, 4 meses e 12 dias de clausura lulopetista. No início, os ventos benfazejos da esperança nos fizeram acreditar que o governo estava no rumo certo, mas o prometido ministério de notáveis se revelou uma notável confraria de corruptos antes mesmo de Dracutemer completar um mês no cargo ― aliás, ministro de Temer não tem currículo, tem folha-corrida.

O castelo de cartas ruiu um ano depois, quando Lauro Jardim revelou uma conversa fortuita entre o Temer e certo moedor de carne criminoso com vocação para delator ― e burro a ponto de delatar a si mesmo, mas isso já é outra história ―, abrindo a Caixa de Pandora de onde saltaram duas denúncias criminais que fizeram dele o primeiro presidente desta Banânia denunciado no exercício do cargo por crime comum (corrupção, organização criminosa e obstrução da Justiça). Nada mal para um país que, depois da redemocratização, elegeu 4 presidentes pelo voto popular, dos quais 2 foram depostos e um é hepta-réu na Justiça Penal ― e ainda se arroga o direito de concorrer à presidência nas próximas eleições, mas isso também é outra história.

CONTINUE LENDO EM http://fernandomelis.blogspot.com.br/2018/01/ainda-sobre-nomeacao-de-cristiane.html