Segundo o Globo, a PGR retomou o acordo de delação premiada com a OAS de Leo Pinheiro. Para quem não se lembra ― afinal, são tantos fatos novos todos os dias ―, esperava-se que as revelações bombásticas do empresário acrescentassem mais um prego no caixão de Lula, mas Janot deu um piti quando Veja publicou uma matéria dando conta de que o depoimento do empreiteiro fazia referências ao ministro Dias Toffoli, do STF. Agora, pelo visto, reascendem-se as esperanças no coração dos brasileiros que desejam ver o sacripanta eneadáctilo em seu devido lugar. Aliás, falta menos de um mês para ele ser “entrevistado” pelo juiz Sergio Moro.

Falando em Moro, o magistrado enviou um documento sigiloso ao ministro Herman Benjamin ― relator no TSE do processo que visa à cassação da chapa Dilma-Temer ―, segundo o qual de outubro de 2014 a maio de 2015, o departamento de propinas da Odebrecht repassou 22,5 milhões de reais a João Santana:

A Lava-Jato vai anexar os depoimentos de João Santana e sua mulher a esse inquérito e mandar Janete para o banco dos réus.

Falando em Janete, os marqueteiros-delatores João Santana e Mônica Moura, de acordo com Lauro Jardim, “deixam claro que Dilma Rousseff sabia que suas campanhas eram financiadas com dinheiro ilegal da Odebrecht”. Aliás, foi exatamente isso que Marcelo Odebrecht disse em pelo menos oito passagens de seu depoimento ao TSE.

As informações são d' O Antagonista.

Voltamos amanhã ou a qualquer hora em edição extraordinária.