O julgamento da ação que visa cassar a chapa Dilma-Temer foi pautado para o próximo dia 04 pelo ministro Gilmar Mendes, presidente do TSE. Se realmente vai acontecer é outra história, até porque a defesa de Dilma vem pleiteando mais prazo.

Do alto da minha ignorância, eu não consigo vislumbrar a finalidade dessa protelação, pois à ex-grande chefa toura sentada as consequências da cassação da chapa não vão além de 8 anos de inelegibilidade ― punição que, vergonhosamente, não lhe foi imposta quando do julgamento do impeachment.

Para o presidente Michel Temer, todavia, o buraco é mais embaixo, pois a cassação da chapa acarreta a perda do cargo ― o que é preocupante para o povo brasileiro, pois a última coisa de que o país precisa neste momento é mais uma substituição do presidente da República. Não que o atual seja a quintessência das maravilhas, mas é inegável que ele vem mostrando serviço, sobretudo no âmbito da economia ― que Lula devastou com a institucionalização da corrupção em prol de seu projeto de poder, e Dilma terminou de demolir “fazendo o diabo” para se reeleger.

Segundo a colunista do G1 Andréia Sadi, os ministros do TSE discutem conceder mais prazo para as defesas se manifestarem. Se eles acatarem as chamadas preliminares dos advogados, o julgamento pode ser suspenso no dia em que tiver início. Posteriormente, as defesas serão intimadas a apresentar novas alegações finais.

Em qualquer cenário, a sentença deve demorar a sair, até porque, uma vez iniciado o julgamento, basta um dos ministros da Corte pedir vistas do processo para adiar os trabalhos “sine die”. Demais disso, qualquer que seja a decisão da Corte, certamente haverá recurso, o que dará tempo mais que suficiente para Temer concluir seu mandato, mesmo que amparado por liminares judiciais.

Ainda que assim não fosse e sobreviesse a cassação da chapa, o próximo nome na linha sucessória assumiria a presidência pelos 30 dias ― preso previsto na Constituição para a realização de uma eleição indireta, na qual deputados e senadores escolherão o presidente (e o vice) que comandará o país até 31 de dezembro de 2018 (pode concorrer qualquer pessoa com mais de 35 anos, no gozo pleno de seus direitos políticos, mesmo que não seja parlamentar nem filiado a algum partido). Até mesmo o próprio Michel Temer, que não necessariamente estará inelegível e, portanto, poderá ser reconduzido ao cargo e terminar “tranquilamente” seu mandato.

Enfim, só nos resta esperar para ver que bicho vai dar.