A “capivara” (jargão policial para folha corrida) de Lula não para de crescer. Além de réu por corrupção passiva, lavagem de dinheiro, ocultação de patrimônio e tentativa de obstrução da Justiça, o petralha foi denunciado também por participação em organização criminosa. Uma ficha e tanto.

Na denúncia apresentada na semana passada, o dito-cujo carcará é acusado pelo MPF de ter cometido crime de lavagem de dinheiro nada menos que 44 vezes, conforme relatou O Globo.

As falcatruas remetem a operações de empréstimos do BNDES para financiar obras da Odebrecht no exterior, notadamente em Angola, com contratos fraudulentos que, segundo O Estado, podem chegar a R$ 30 milhões, dos quais R$ 4 milhões podem ter ido parar no bolso da “alma viva mais honesta do Brasil”.

As denúncias foram divididas em dois blocos: uma parte apura ilícitos cometidos quando o lalau já havia deixado a Presidência da República ― época em que teria praticado crime de tráfico de influência ―, e a outra quando ele ainda ocupava o cargo ― crime de corrupção passiva. A nova denúncia carrega os mesmos traços das investigações anteriores, além de envolver parentes de Lula no recebimento de benefícios ilícitos e uso de estruturas do Estado, em especial as polpudas linhas de financiamento do BNDES, para encher os bolsos do petralha e de sua família. Desta vez, o artífice das maracutaias é o “sobrinho torto” Taiguara Rodrigues dos Santos, e até plano de saúde de um irmão de Lula pode ter entrado na conta da propina. As novas irregularidades ora investigadas pelo MP vão tão longe que o BNDES decidiu alterar seus procedimentos referentes a financiamentos no exterior, suspendendo repasses de US$ 4,7 bilhões relacionados a contratos de empreiteiras em nove países, como Cuba, Venezuela e Angola. Na lista do Banco, estão 25 operações que podem ter funcionado como sorvedouro de dinheiro público nos governos do PT. O valor envolvido representa quase metade da carteira de exportação de serviços da instituição ― segundo o TCU, das operações feitas nos últimos dez anos, 82% foram direcionadas à Odebrecht.

Foi nesta montanha de dinheiro que Lula nadou de braçada e agora corre o risco de se afogar, sufocado por sua prodigiosa “capivara”.