Lulaem mais um discurso inflamado contra a Lava-Jato, disse “saber que está lascado”, exigiu um pedido de desculpas do juiz Sérgio Moro e afirmou que, mesmo fora do Planalto, será um cabo eleitoral expressivo nas próximas eleições.

O incorrigível parlapatão, réu em sete ações penais e já condenado em uma delas a 9 anos e meio de prisão, insiste em atribuir a outrem a culpa por suas mazelas. Para ele, o objetivo de Moro é impedir sua candidatura e neutralizar seu apoio a um candidato alternativo ― nos bastidores, o PT cogita a candidatura do ex-prefeito de Sampa, Fernando Haddad, que estava presente no evento, fez um discurso rápido e encerrou dizendo esperar que Lula assuma a Presidência em 2019.

Lula explicou que não pretende ser absolvido ― o que, aliás, nem seria possível no mundo das coisas reais. Ele já foi condenado e o juiz não poderia voltar atrás na sentença, mesmo que estivesse morto de arrependimento, o que não parece ser o caso. Disse que já está “lascado”, e, diante desta constatação pessoal, o que lhe restaria agora seria o consolo de um pedido de perdão.

Tudo isso, naturalmente, é gritaria de arquibancada, que xinga o juiz, mas não muda o resultado da partida. No entanto, o número de eleitores que “pretendem votar nele em 2018, segundo as pesquisas, curiosamente aumenta à medida que sua situação na Justiça se complica. Quanto mais cartas de Palocci e recibos com datas inexistentes aparecem, mais votos o molusco indigesto tem nas sondagens; pelo andar da carruagem, deverá estar chegando perto dos 100% na véspera de sua próxima sentença.

Mas pesquisas de opinião não costumam mudar sentenças judiciais, mesmo na Justiça Brasileira. O número de votos que dão a Lula também não aparece na rua, e parecem pouco promissoras, em termos de resultados práticos, as sondagens segundo as quais a “popularidade” do juiz Sérgio Moro “está caindo” ou que afirmam que ele seria derrotado por Lula num segundo turno das eleições de 2018. O magistrado não está participando de um concurso de Mr. Simpatia, nem vai, menos ainda, disputar nenhuma eleição contra Lula. De que adianta dizer isso?

Não dá para esperar desse pesqueiro os mesmos resultados que se esperam das pesquisas de “intenção de voto”. Aqui é a vida real. Vai sair uma sentença no tribunal que julga os recursos de Lula contra sua condenação; vão sair outras sentenças. E se o ex-presidente acabar condenado em definitivo, o “juizinho do interior” formado na faculdade de direito de Maringá, vai ser considerado um dos maiores heróis que o Brasil já teve, digam o que disserem as pesquisas. É a vida.

Para ler a postagem na íntegra, acesse http://fernandomelis.blogspot.com.br/2017/10/lula-o-campeao-de-intencoes-de-voto.html