Confesso a vocês que já estou “por aqui” de ouvir o depoimento de Lula, e mais ainda de ver a patuleia comemorando o “desempenho” de seu ídolo ― e defendendo caninamente sua candidatura a um terceiro mandato. Pior mesmo é ver “Janete” discursar de improviso, especialmente quando ela arrisca um pavoroso francês de puteiro nordestino do século passado. Mas o que é de “Iolanda” ― um nome tão bonito para uma criatura tão desprezível (*) ― está guardado. Agora, com a retirada do sigilo das delações de João Santana e Mônica Moura, a petralha não perde por esperar.

(*) Um dos endereços de email usados para vazar dados sigilosos sobre a Lava-Jato ao casal de marqueteiros era iolanda2606@gmail.com, que teria sido criado na biblioteca do Palácio da Alvorada. Leia trecho do relato de Dona Xepa, publicado em O GLOBO e reproduzido no site O ANTAGONISTA:  

Mônica Moura combinou com Dilma Rousseff um meio seguro de ser avisada sobre o andamento da Operação Lava Jato, em especial no que se referia a ela e João Santana. Mônica Moura, então, criou ali mesmo, no computador da presidente (notebook), na biblioteca do Palácio da Alvorada, um e-mail do Google (Gmail), com nome e dados fictícios, cuja senha era de conhecimento de Mônica Moura, da presidente Dilma e de seu assessor Giles Azevedo, que acompanhou essa parte da conversa (criação do e-mail).

Voltando a Lula, sua candidatura ao ambicionado terceiro mandato deve ir esgoto abaixo juntamente com o que resta de sua reputação ― coisa que a militância cega e de sinapses estreitas parece ser incapaz perceber. Mesmo que sejam ouvidas mais testemunhas no processo que trata do tríplex (3 pela acusação e mais uma porção pela defesa), espera-se que Moro dê a sentença até o final do mês que vem. Em advindo a esperada condenação, o recurso do petista ao TRF-4 deve ser apreciado até junho do ano que vem, a julgar pelo tempo médio que aquela corte tem levado para julgar os apelos impetrados contra decisões em ações no âmbito da Lava-Jato. Pelo andar da carruagem e à luz da lei da ficha-limpa, Lula pode não conseguir se candidatar ao pleito de 2018, já que o prazo para os partidos indicarem oficialmente seus candidatos se inicia daqui a 14 meses.

Lula é réu em cinco ações penais ― três pela Lava-Jato, uma pela Operação Janus e outra pela Zelotes ―, além de investigado em diversos inquéritos em andamento. Além do processo que tramita na 13ª Vara Federal de Curitiba ― no qual o petista prestou depoimento na última quarta-feira ―, a ação que versa sobre obstrução da Justiça e corre na 10ª Vara Federal do DF também pode ser decidida há qualquer momento, já que os autos estão conclusos para sentença desde março passado. 

Vale lembrar também que, conforme entendimento do STF, réus em ações penais devem ser afastados da linha sucessória presidencial. Em dezembro do ano passado, o ministro Marco Aurélio concedeu liminar para afastar Renan Calheiros da presidência do Senado ― terceiro posto na sucessão presidencial e segundo no contexto atual, já que estamos sem vice-presidente da República. Para minimizar a crise entre os Poderes, o Supremo pariu uma jabuticaba que criou a figura do “meio-senador”, ao preservar o mandato do cangaceiro das Alagoas e mantê-lo na presidência do Senado e do Congresso Nacional.

Antes disso, em maio de 2016, o ministro Teori Zavascki determinou o afastamento de Eduardo Cunha do mandato de deputado federal e, consequentemente, da presidência da Casa ― decisão mantida pelo plenário da corte. Em seu despacho, o magistrado afirmou que “além de representar risco para as investigações penais sediadas neste Supremo Tribunal Federal, [a permanência de Cunha] é um pejorativo que conspira contra a própria dignidade da instituição por ele liderada”, e que o deputado não tinha “condições pessoais mínimas” para ser presidente da Câmara, pois “não se qualifica” para eventualmente substituir o presidente da República. Se tal entendimento for mantido e a isonomia aplicada, Lula não poderá oficializar sua candidatura, pois será difícil o Supremo definir que réu não pode estar na linha sucessória da presidência, mas pode ser presidente da República.

Por outro lado, estamos no Brasil, e ministros que mantiveram a prisão preventiva de réus condenados somente em primeira instância ― ou seja, sem a confirmação da sentença pela instância superior, que, pela lei, determina o início do cumprimento da pena ― votaram recentemente a favor da soltura de Dirceu, Bumlai e companhia. Então...

Como hoje é sexta-feira, enquanto aguarda o desenrolar dos acontecimentos (e a próxima postagem), não deixe de assistir a este vídeo ― lembrando que qualquer semelhança com cenas recentes divulgadas na mídia não é mera coincidência.